Dia dos Desaparecidos

Eduardo Galeano

Desaparecidos: os mortos sem tumba, as tumbas sem nome.

E também:

os bosques nativos,
as estrelas na noite das cidades,
o aroma das flores,
o sabor das frutas,
as cartas escritas à mão,
os velhos cafés onde havia tempo para perder tempo,
o futebol de rua,
o direito a caminhar,
o direito a respirar,
os empregos seguros,
as aposentadorias seguras,
as casas sem grades,
as portas sem fechaduras,
o senso comunitário
e o bom-senso.

Expressionante!

Pequena coletânea do Sebastião Salgados (@sebastiao.salgados) pescada lá no Instragram…

. Das expressões brasileiras, uma das que mais gosto é a “nem tchun” usada para se referir quando alguém não dá a devida importância a alguma coisa.
eduardo – @eueduramos

. A expressão “vapt vupt” é muito boa e eu irei protegê-la.
thaís paranhos – @thaisparanhos

. Amo a expressão “menina, nem te conto”, porque em seguida a pessoa conta.
gurincrível – @araujofmp

. Amo a riqueza da expressão brasileira “tô com fome de comida” para dizer que quer comer arroz com feijão.
joy – @joycexliveira

. Eu amo a expressão “vou me dar ao luxo”, que consiste em basicamente você gastar um dinheiro que vai além do que pode gastar mas sem se culpar por isso.
brenda – @brendasafra

. Eu amo a expressão “mas não vou me importar com isso” depois de ter ficado meia hora desabafando porque me importei.
Galo de Botas – @bicagalobicudo

. Acho engraçada a expressão “ser feliz com pouco” porque ela engloba coisas que passam longe de ser pouco, como ter saúde, viver em paz, pagar as contas e ser amado.
tio do balão – @luis7md

. Eu acho a expressão “trabalhando igual cachorro” muito inválida, pois eu queria muito a vida do meu cachorro… Ele apenas dorme, come, brinca, passeia e recebe carinho.
Marcella – @marcellalouiisa

. Uso muito a expressão “deu pra entender?” e fico com medo de a pessoa achar que estou subestimando a capacidade de compreensão dela, mas na verdade eu estou subestimando a MINHA capacidade de articulação e síntese.
joão miguel – @joamiguelbdb

. A expressão “é sobre isso” é sobre o quê?
João, o Justo – @coimbrasousa

E vocês? São fãs de qual expressão?…

Pagamentos “por fora” à amante não integram a remuneração

É mole? Além da extorsão, a guria ainda entrou com reclamação trabalhista!

Notícia direta do site do TRT da Segunda Região (grifos meus):

Por unanimidade de votos, a 6ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região indeferiu integração e reflexos de pagamentos extrafolha realizados pelo então gerente de uma clínica odontológica à secretária do estabelecimento com a qual mantinha relacionamento extraconjugal. A decisão reforma sentença proferida.

Em depoimento por convite da empresa, o homem, que à época era casado com a proprietária do consultório, contou que apenas ele fazia depósitos na conta da trabalhadora a título de salário e, posteriormente, transferia outros valores como um “agrado”. Ele alegou que a profissional lhe pedia ajuda financeira e que prestava o auxílio por medo de que a mulher revelasse o caso à esposa.

Relatou ainda que o setor de contabilidade mandava duas vias de recibo: uma era assinada por ele e a outra pela reclamante. Todos os pagamentos eram feitos diretamente de sua conta pessoal para que a cônjuge não desconfiasse. A testemunha declarou também que a titular da firma não tinha conhecimento dos valores.

Para o desembargador-relator Wilson Fernandes, “o depoimento da testemunha é contundente e definitivo. Os pagamentos feitos à autora não tinham relação e não se destinavam a remunerar seu trabalho na empresa; a finalidade era outra, bem diversa. Com isso, o magistrado concluiu que, como não se tratava de contraprestação por atividades em benefício da empregadora, tais valores não devem ser integrados à remuneração da reclamante para nenhum efeito.

Para os curiosos de plantão: o processo tramita com o número 1000607-56.2023.5.02.0374.

We will rock you

E eis que a Pepsi se superou mais uma vez!

Desde longa data admiro a criatividade desse povo ao criar seus comerciais. E este, do longínquo ano de 2004 (mas que somente agora vim a conhecer), na minha nada humilde opinião ficou MUITO BOM! Tudo bem que não conheço nenhuma das músicas ou sequer sou admirador da Beyoncé, da Pink ou da Britney Spears. Aliás nem tampouco sou admirador da Pepsi…

Mas a música do Queen? Ah, essa sim admiro – e muito!!!

Proibir ou modificar livros é um perigo para a própria evolução da humanidade

Se proibirmos o acesso ou modificarmos histórias, acabaremos por esquecer a nossa própria história coletiva. Sem essa memória, quem garante que não acabaremos a repetir os erros dos nossos ancestrais?

Ricardo Almeida
CEO Clube de Autores
7 de Agosto de 2023

Atualmente, assistimos a um movimento que tem modificado livros com muitas décadas de existência. As palavras têm sido alteradas e a liberdade coartada. Mas qual será o impacto desta nova censura para a literatura?

Durante séculos, as severas penas impostas aos que ousassem desafiar a censura para procurar conhecimento impediram avanços incalculáveis para a nossa espécie, forjada, justamente, pela sua capacidade sagrada de aprender e partilhar histórias. Durante séculos, perdemos cientistas, filósofos e questionadores na mesma medida em que coleccionámos atrasos, preconceitos e pecados absolutamente capitais contra a essência da própria alma humana.

Tudo mudou a partir do momento em que o mundo viu caírem, uma a uma, as censuras impostas por tantas religiões e governos. A partir de então – pelo menos nos territórios que passaram a respirar liberdade de pensamento – a partilha ampla de conhecimento, História e experiência explodiu, resultando em evoluções sócioculturais como em nenhum outro momento da humanidade.

Nos dias de hoje, por exemplo, a autopublicação gratuita de livros permite não só que autores dos mais diversos cantos do planeta contem as suas versões, imaginações e vidas, mas também que possam aceder ao estatuto de formadores de opinião, até tão pouco tempo reservado a uma elite intelectual e económica mais interessada em preservar os seus próprios interesses do que em dar voz ativa a todos.

Devemos saudar esta mudança. Devemos abraçar a possibilidade de termos histórias contadas não apenas pelos ditos vencedores, mas por qualquer um que queira partilhar a sua forma de ver o mundo. Devemos agradecer este acesso amplo ao conhecimento, única forma de evitar que esqueçamos os erros do passado e que, assim, caminhemos sempre para a frente.

Mas, infelizmente, a maior lição que a História nos ensinou é que acabamos sempre por esquecer as suas lições. Na belíssima Biblioteca Joanina da Universidade de Coimbra, há um exemplar do Index Librorum Prohibitorum – a lista de livros proibidos pela Igreja Católica promulgada em 1559 e constantemente atualizada até 1948, 18 anos antes de ser oficialmente abolida. Ora, eis que surge, agora, um novo Index Librorum Prohibitorum, versão século XXI, da mesma forma que, no passado, as lideranças políticas de muitos países passaram a proibir publicações que contrariassem as suas formas de ver o mundo. Nos EUA, no estado do Tennessee, por exemplo, a administração de uma escola votou por banir o livro Maus: a história de um sobrevivente, sobre o Holocausto, por conter “imagens de nudez e asneiras”. E esse é apenas um exemplo: segundo um relatório da entidade PEN America, 2532 livros foram banidos em escolas americanas entre 2021 e 2022.

Mas não é só de proibição que se pauta esse novo movimento de censura à História. A gigante editorial HarperCollins, por exemplo, decidiu reeditar livros de Agatha Christie, modificando ou retirando por completo excertos que hoje podem ser considerados “inadequados”. Outros autores como Roald Dahl e Ian Flemming, para citar apenas dois outros exemplos, já foram mastigados pela máquina moderna da censura e relançados com textos “mais apropriados” às visões majoritariamente aceitas no mundo.

Qual o óbvio resultado de todo este movimento de censura completa ou reescrita seletiva? Perdemos todos uma janela fabulosa para o nosso próprio passado coletivo, para a forma como as sociedades viam o mundo e as consequências, positivas e negativas, que surgiram a partir dessas visões.

Se proibirmos o acesso ou modificarmos histórias, acabaremos, inevitavelmente, por esquecer a nossa própria história coletiva, as forças que nos fizeram evoluir até o que somos hoje. E, sem essa memória, quem garante que, em breve, não acabaremos a repetir os mesmos erros que os nossos ancestrais, incluindo as tantas perseguições, condenações e guerras que marcaram o percurso humano? É isso mesmo que queremos como espécie?

Os livros são, antes de qualquer coisa, registos dos seus próprios tempos. Mudá-los, no todo ou em parte, é o mesmo que queimá-los. E se isso já era tenebroso no século XVI, é absolutamente inadmissível no século XXI.

Elis, a nova Kombi e meus dois cents

Pois bem, vamos à controvérsia da vez.

Trata-se do recém lançado comercial da “nova” Kombi, que aparece sendo dirigida pela cantora Maria Rita no qual, em meio de flashes e imagens da década de setenta e oitenta, eis que surge sua mãe, a própria Elis Regina, dirigindo uma antiga Kombi e elas passam a cantar em dueto a música Como nossos pais.

Como se já não tivéssemos problemas suficientes neste nosso Brasilzão véio sem portêra, nem bem foi lançado e já começaram a implicar com esse comercial. Pô, gente, o arcabouço fiscal ainda nem foi votado, o país continua dividido e a política no geral parece uma mistura de jogo de xadrez com cubo mágico. Disso tudo somente salva a excelente notícia de que o capiroto está INELEGÍVEL… 😀

Mas tergiverso.

É que de bate pronto já começaram com o MI-MI-MI habitual. O primeiro deles é de que “Oh, mas estão utilizando a imagem da Elis Regina através da Inteligência Artificial!”. Sim, e daí? Com certeza a família autorizou e com mais certeza ainda devem estar levando uma quantia considerável pela utilização da imagem desse nosso ícone nacional. Aliás, não há novidade nenhuma nisso: no filme Rogue One: Uma História Star Wars a atriz Carrie Fisher também foi recriada digitalmente para aparecer como a jovem Princesa Leia. Tudo bem que nessa época ela ainda estava viva e também autorizou a utilização da própria imagem, mas foi muito bom vê-la em ação novinha de tudo!

Outra choradeira é de que a Volkswagen contribuiu com o governo estabelecido na época da ditadura, inclusive disponibilizando veículos e, ainda, explorando de forma cruel a mão de obra operária. Certo, a coisa foi feia. Mas tudo isso gerou ações e indenizações milionárias que ainda estão sendo pagas e décadas já se passaram, a mentalidade de seus administradores é outra e a indústria não pode parar. Aliás, se for para colocar o dedo na ferida, temos que lembrar que o Fusca, maior sucesso de vendas da Volkswagen, somente foi criado graças ao incentivo de ninguém menos que o próprio Hitler. Sinistro… E mesmo assim a empresa jamais saiu de operação.

E, também, não faltou a tentativa de “demonizar” as agências de publicidade! Mas gente, é exatamente para isso que existem esses profissionais, quer gostem ou não! Nas palavras do jornalista Alexandre Inagaki, no Twitter: “E é isso o que os mais habilidosos publicitários fazem, de fato. Capturam tendências e manipulam emoções a fim de movimentar as engrenagens capitalistas. Os redatores e diretores do comercial de Volks criaram uma peça maquiavelicamente brilhante, que emociona e engaja.”

Dentre os comentários, opiniões e surtos de praxe, é até engraçado constatar que tem gente se entendendo proprietária da opinião alheia, se indignando de tal maneira como se conhecedora do que se passava na cabeça da própria Elis e sobre o que ela concordaria ou não. Sobre o que está certo ou está errado e como “deveria” ter sido conduzida essa campanha.

Olha, enfim, é muita teoria da conspiração pra pouco carro. Até porque estamos simplesmente falando de um comercial que, daqui a pouco, vai acabar sumindo da blogosfera. E mesmo essa Kombi, pra mim, não tem cara de Kombi! Parece muito mais a nave auxiliar da Enterprise, de Star Trek, o Galileo Seven…

Na minha opinião é a mesma coisa que aconteceu com o “New Beetle” quando quiseram relançar o Fusca. Aquilo pode ser qualquer coisa, mas não é um Fusca! Essa “New Kombi” pode ser uma van, um utilitário ou seja lá o que for, mas também não é uma Kombi! Pra começo de conversa ela já chega no mercado com um valor estimado de aproximadamente trezentos mil reais. Só. Suuuuuper popular. Já estou vendo os feirantes se estapeando para aposentar a velha corujinha de pneus carecas e assoalho furado para fazer um financiamento e colocar essa nova Kombi para levar as caixas, lonas, cordas e madeirame das barracas de feira…

Só que não.

Enfim, discussões à parte, confiram abaixo o “controverso” vídeo de que estamos falando. Não vou pedir para que os detratores que me perdoem, mas sim que se explodam, porque desse resultado EU GOSTEI MUITO!

Esse povo do Zap ainda me mata…

Gente, vocês têm que prestar mais atenção.

Tubo bem que hoje é Dia das Mães e tudo o mais, mas tem coisa que não se faz.

Olha só, eu participo de um grupo do WhatsApp criado recentemente visando marcar uma festa par reunir todo um povo que trabalhou junto trinta anos atrás! Por mais aguerridos que todos sejam, principalmente no que diz respeito à política, desde o começo já ficou combinado que esse grupo seria bem específico, para matar as saudades, descobrir por onde andam estas ou aquelas pessoas e combinar o dia do evento. E só.

E, ressalvadas raras exceções, o povo até que vem se comportando bem, vá lá. Às vezes um aniversariante daqui, uma dica dali, uma lembrança acolá, e assim vai. Pessoal ajuizado, da velha guarda e na época em que trabalhamos juntos eu mal tinha trinta anos de idade.

Mas gente, mesmo sendo um dos “caçulas” do grupo, eu já passei do meio século de vida!

Já faço parte da turma que é mais convidado para funerais do que para casamentos, meus grupos de amigos tendem mais a diminuir do que aumentar, tenho reservado no guarda-roupa uns conjuntos de “pretinhos básicos” conforme seja a pompa e circunstância da ocasião, até mesmo meu celular já conecta automaticamente na rede wi-fi do crematório local!

Ou seja, fora dos dias e horários comerciais, muito pela manhã ou já à noite, quando toca o alerta do meu celular avisando que chegou mensagem, caramba, isso me gela a alma! NINGUÉM vai te escrever de madrugada dizendo que está com saudades, ou tarde da noite para te convidar para uma festa, ou, ainda, no meio de um domingo modorrento para tratar de algum trabalho pendente. Quando isso acontece, invariavelmente é desgraça ou desgraça. A gente já corre para o telefone pensando em quem morreu, quem foi preso, qual foi o acidente com o carro de quem, se alguém se machucou e assim por diante.

O chegar da idade pode ser, sim, terrível, mas ainda é melhor que a alternativa.

Então, com todo respeito aos mais bem intencionados integrantes desse grupo do qual faço parte, por caríssima e extremíssima gentileza, tenham em mente que SEIS HORAS DA MANHÃ DE DOMINGO NÃO É HORÁRIO PARA COMEÇAR A ENVIAR MENSAGEM DE FELIZ DIA DAS MÃES !!!

E tenho dito.

Pela atenção, esta companhia agradece.